Por mais que o tempo passe algumas lições são sempre atuais

Realmente algumas lições são tão valiosas que por mais que o tempo passe seus ensinamentos continuam extremamente atuais. É o caso do famoso livro “Quem mexeu no meu queijo” do Dr. Spencer Johnson.

Assisti a esse vídeo em 2004 sentado em uma sala de aula e confesso que na época não gostei muito. Mas acabei assistindo novamente em 2015 e parece que o vídeo caiu como uma luva para nosso atual momento econômico.

Anúncios

Como na natureza o mercado não permite que nos acomodemos!

Sua empresa é líder de mercado e você não tem concorrentes?

Já bateu sua meta e está tranquilo como o jacaré no banco de areia?

Você não se preocupa com o ambiente exterior pois oque importa é apenas fazer bem a sua parte?

As ameaças que surgem do nada e rapidamente acabam com sua “tranquilidade”.

A onça pode ser um novo player no mercado, uma mudança tecnológica, a mão pesada do governo ou uma alteração na legislação.

Esteja sempre atento ao meio e as suas mudanças, não se acomode por as coisas estarem indo bem ou mal

Cuidado o mercado e a selva não perdoam e costumam não dar uma segunda chance.

Desafie o Touro!

Papel-de-Parede-touro-de-bronze-da-wall-street-35892

Charging Bull ou Touro de Wall Street é uma das esculturas mais famosas de Nova York, visitada por milhares de pessoas todos os anos, ela acaba chamando atenção pelo seu significado.

O escultor Arturo Di Modica, quis dar vida aos 3.200 quilos da escultura de bronze, com a cabeça abaixada, as narinas abertas, o rabo chicoteando o ar e uma pose que traz toda a agressividade do animal. The Wall Street Bull, representa o quanto o mercado de ações pode ser forte, imprevisível e desafiador.

Essa representação pode ir além, olhando profundamente para essa imagem podemos nos sentir desafiados. Todos os dias, independentemente de sua função na empresa, encaramos o nosso próprio Touro, nessa mesma posição… Ele pode ser aquele “chefe” que sufoca suas ideias, aquele cliente osso duro, pode ser também aquele grande concorrente ou simplesmente o próprio mercado dando sinais de incerteza e turbulência.

Esses desafios não devem de forma alguma serem temidos, mas respeitados pelo aprendizado que você pode tirar. Acima de tudo eles devem ser encarados como oportunidades únicas de fazermos o que os outros 90% dos profissionais não fazem. Desafiar o touro!

Quando o leão ruge: Costa Rica, Jorge Luiz Pinto e o Grupo da morte.

Imagem

Logo após o sorteio das chaves da Copa do Mundo 2014, a imprensa já decretava o grupo D como o “Grupo da Morte”.  Nele tínhamos três campeões mundiais: Inglaterra, Uruguai e Itália ao lado da Costa Rica considerada a mais fraca das quatro seleções. Alguns já diziam: “A Costa Rica pode ter papel fundamental na classificação do grupo, quem das outras 3 seleções golear mais a seleção da América Central pode usar o saldo de gols para definir a classificação”

O colombiano Jorge Luís Pinto, treinador dos Costa-riquenhos, soube tirar proveito desse cenário e motivar sua equipe, mostrar aos seus jogadores que sim, era possível vencer os favoritos e se classificarem para a próxima fase, que por mais que ninguém acreditasse neles, eles deveriam acreditar em si mesmos e jogar dando o melhor.

Logo no primeiro jogo do grupo eles saíram atrás do Uruguai e terminaram o primeiro tempo perdendo de 1 x 0. É ai que surgi o líder, são em momentos como esse que leão ruge. Tente imaginar o clima após o final do primeiro tempo. Oque ele deve ter dito para seus jogadores no vestiário durante o intervalo? Não sabemos realmente qual foi seu discurso, mas o time voltou a campo motivado e lutando. Virou o jogo marcando 3 gols e jogando muito.

Antes de enfrentar a Itália, no segundo jogo, Jorge disse “Temos duas ou três cartas para jogar assim como no pôquer, Estamos confiantes e acho que nosso time pode melhorar em relação ao rendimento que apresentou contra o Uruguai. Aliás, temos que melhorar”.
Essa confiança foi fundamental em campo e os Costa-riquenhos venceram por 1 x 0 e se classificaram para a próxima fase antes que as seleções tidas como favoritas do grupo entrando para a história de seu país.

A Costa Rica não venceu a Copa do Mundo, mas essa equipe merece ser respeitada e seu técnico encarado como um grande líder.

Às vezes somos desacreditados, rotulados como fracos e nos encontramos em situações extremamente adversas, mas sempre teremos dois caminhos: Aceitar o que está sendo decretado para nosso futuro ou lutar para mostrar que quando se quer algo com todas as forças, não importa o tamanho do desafio, ele é possível.

O clima organizacional está ruim? Você está tendo problemas com a equipe? O nicho de mercado que atua tem uma concorrência muito agressiva? As vendas caíram e a economia está ruim? Faça com que o Leão dentro de você acorde, faça como Jorge Luís Pinto extraia o que sua equipe tem de melhor, transforme o impossível em combustível para seus motores e alcance o infinito.